22/02/2017

[ RESENHA ] Crave a Marca

Título: Crave a Marca 
Autora: Veronica Roth
Páginas: 480
Editora: Editora Rocco
Estrelas: 5/5
Livro: Cortesia da Rocco
Num planeta em guerra, numa galáxia em que quase todos os seres estão conectados por uma energia misteriosa chamada “a corrente” e cada pessoa possui um dom que lhe confere poderes e limitações, Cyra Noavek e Akos Kereseth são dois jovens de origens distintas cujos destinos se cruzam de forma decisiva. Obrigados a lidar com o ódio entre suas nações, seus preconceitos e visões de mundo, eles podem ser a salvação ou a ruína não só um do outro, mas de toda uma galáxia. Primeiro de uma série de fantasia e ficção científica, Crave a marca é aguardado novo livro da autora da série Divergente, Veronica Roth, que terá lançamento simultâneo em mais de 30 países em 17 de janeiro, e surpreenderá não só os fãs da escritora, mas também de clássicos sci-fi como Star Wars.

 

Como já pudemos comprovar nos livros da série Divergente, Veronica Roth tem o verdadeiro dom da escrita e da criatividade na hora de criar mundos incrivelmente únicos e fantásticos. E para a sorte dos leitores, Crave a Marca não é uma exceção.


Ao todo, existem nove planetas com civilizações independentes, ou como são chamados, planetas-nação na galáxia que além de serem e possuírem costumes totalmente diferentes uns dos outros também são comandados por um órgão governamental chamado Assembléia. Contudo, existe um planeta-nação chamado Thuvhe, também conhecido como planeta gelo, onde nele vivem dois povos inimigos desde muito tempo e para que não ocorresse uma guerra teve de ser dividido em duas partes por uma plantação chamada capim-pena, que causava alucinações principalmente quando ingeridas.

 O planeta foi dividido entre Thuvhesitas, seres que valorizavam uma planta que simbolizava o sangue da nação e que fazia com que eles não enlouquecessem com o frio, chamada flor-sossego e para fazê-las desabrocharem no momento certo, era necessário um oráculo que não apenas os thuvhesitas possuíam como também cada planeta-nação possuía três, um oráculo ascendente, um atuante e um descendente.

As flores-sossegos não eram mortais para os thuvesitas, pois sabiam como utilizá-las, como por exemplo, para bebidas recreativas, elixir do sono ou até mesmo para veneno se não forem preparadas corretamente. Já os shotet, eram um povo violento e brutal que cravavam linhas nos braços para cada vida que tiravam além de treinarem os filhos na arte da guerra. Diferente dos thuvhesitas, eles valorizavam a temporada, um jornada sazonal pela galáxia realizada numa gigantesca nave espacial, dando volta no sistema solar e realizando coleta de materiais em planetas favorecidos.

Mas existiam três coisas que os dois povos respeitavam e seguiam fielmente, um fenômeno natural e símbolo religioso chamado Corrente, que fluía pelo corpo de todos os seres vivos. O segundo era o Dom-da-corrente, que praticamente, eram dons e habilidades únicos para cada pessoa que sentia a corrente fluindo pelo seu corpo. E por último a Fortuna, algo raro que ocorria apenas com uma ou duas pessoas de uma família poderosa ou especial, onde o oráculo dizia o seu futuro através da corrente, seja ele bom ou ruim, em pleno sigilo onde apenas a Assembleia e a família sabiam de sua fortuna quando chegasse à hora. Porém, tudo muda numa manhã que para Akos Kereseth, sua vida estava normal como sempre fora, até que ela muda constantemente. 
               
Akos sempre fora um menino tímido e o mais novo de seus dois irmãos, Cisi sua irmã mais velha e Eijeh, o irmão do meio. Seu pai, Aesah, era um fazendeiro e sua mãe Sifa era uma oráculo atuante. Que mesmo sendo muito reverenciada pelo povo de Thuvhe, temia o futuro que ás vezes não conseguia entender e que não podia mudar.  

Sifa estava preocupada com uma família muito poderosa e muito conhecida do povo shotet, a família Noavek, que além de ter sido controlada pelo tirano líder Lazmet Noavek, seus filhos também se tornaram tão cruéis quanto ele. Principalmente Ryzek, seu filho mais velho que tomara seu lugar após sua morte. Sua irmã Cyra, também não ficava para trás, com muitas histórias sendo contadas a seu respeito pelo povo thuvhesita sobre sua incrível habilidade em combate e também o que o seu dom podia fazer com pessoas que desobedeciam ou eram contra seu irmão.

As crianças desenvolviam seus dons quando ficavam mais velhas e era este o assunto que Akos, aos quatorze anos, ouvia de seus colegas na escola quando de repente as luzes se apagam. Na manhã daquele dia, um anúncio fora feito e a revelação sobre o futuro dos afortunados também, as crianças thuvhesitas corriam perigo e Ryzek aproveitou a oportunidade para sequestrar cada criança com poder suficiente para que seu plano de conquistar Thuvhe tivesse êxito.  Após pegar seus filhos na escola, Aesah e as crianças são surpreendidas por guerreiros shotet em sua casa que além de estarem procurando sua mãe, também queriam a criança do meio. Durante a luta de seu pai com os guerreiros, Akos faz algo que faz não apenas a sua família se surpreender como também os shotet, ele consegue entender e falar muito bem sua língua. Mas como ele poderia entender se nunca tinha escutado a língua shotet antes?

Os shotet conseguem ferir seu pai gravemente e por um deslize de Akos, eles descobrem que Eijeh era a criança do meio e voltam para a cidade de Voa, a capital Shotet, mas não antes de levar Akos também como prêmio por falar sua língua. Segredos sobre seu dom e o de Eijeh são revelados, assim como sua fortuna que será como um soco forte no estômago. Num lugar totalmente novo e longe de tudo que conhecia e de pessoas que amava, Akos sente apenas raiva e uma enorme determinação de lutar para tirar seu irmão da Mansão Noavek. Mas como fazer isso com guardas em todo o canto e sendo servo da mulher mais temida de toda Shotet, Cyra Noavek?  

"_ Você perdeu antes de ter acordado.- falei. _Primeira lição: a melhor maneira de vencer uma luta é evitá-la. Se seu inimigo dormir pesado, corte a garganta dele antes de ele acordar. Se ele tiver coração mole, apele para sua compaixão. Se ele tiver com sede, envenene sua bebida. Entendeu?
_ Ou seja, jogue fora a honra pela janela.
_Honra.- falei, bufando._ Não há lugar para honra na sobrevivência."

Um planeta dividido entre compaixão e crueldade, onde dois seres diferentes e que por causa das histórias passadas o ódio é alimentado. Mas ao se unirem mesmo contra suas vontades decidem confiar um no outro e descobrem um caminho diferente da dor e da escuridão em seus corações, o caminho da amizade, do amor e do perdão.

"O que eu quero dizer é – continuou._ que quando eu tinha dez estações fiquei tão assustado apenas vendo a dor que mal consegui suportar. Enquanto isso, você com dez estações foi obrigada a causá-la, várias e várias vezes, por alguém muito mais poderoso que você. Alguém que deveria está protegendo você.
Por um momento me ressenti daquele pensamento. Mas apenas por um momento.
_ Não tente me absolver da culpa.- Quis soar ríspida, como se estivesse dando uma bronca, mas em vez disso parecia que estava implorando para ele. Limpei a garganta. _ Tudo bem? Não melhora as coisas.
_Tudo bem.-disse ele.
­_Você aprendeu  esse ritual?-perguntei. Ele fez que sim com a cabeça.
_Crave a marca.- falei, minha garganta apertada."

Além de conter um mapa que mostra com mais detalhes os nove planetas desse mundo incrível que a autora criou, no final do livro também contém explicações de como pronunciar o nome dos personagens e sobre os costumes dos planetas-nação. Com uma capa maravilhosa e um título que tem tudo a ver com a história, Crave a Marca é uma história não apenas sobre dois jovens, mas também sobre poder que tanto o amor quanto a crueldade podem ter sobre uma pessoa, fazendo com que ela se torne alguém totalmente diferente.

Uma escrita fácil e viciante com personagens que o leitor vai tanto amar quanto odiar, além de se emocionar bastante e se apaixonar por essa história linda e envolvente.

   

22 comentários:

  1. Olá
    Lendo sua resenha me bateu uma curiosidade, esse mundo parece bem interessante, mas tenho um certo medo, porque realmente não gostei nem um pouco de Divergente, então estou bem indecisa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Daniele! Também tive o mesmo pensamento quando eu comecei a ler Crave A Marca porque o final de Convergente não foi muito legal, mas essa é uma história totalmente diferente. Você nem se lembra de Divergente kkk. Então, pode ir sem medo, você não vai se arrepender. Bjss!

      Excluir
  2. Oi Jen!
    Estou bem curiosa quanto a esse livro. Não li nada da autora ainda, mas vi os filmes da série Divergente.
    Gostei do enredo e me interessei bastante por se passar em outro planeta e ter uma cultura rica. Além disso, gostei do Akos :)
    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Michelle! Eu prefiro os livros do que o filme da Série Divergente, apesar de o primeiro filme ter sido muito fiel ao livro. Mas talvez você não goste do final do Convergente no livro. Então, você pode começar por Crave A Marca que já é outra história e você vai amar. Eu me apaixonei pelo Akos kkk ele é um personagem maravilhoso! Bjss!

      Excluir
  3. Legal! Eu até curti os filmes da série Divergente mas nunca li nada da autora. Estava participando do sorteio desse livro no Skoob mas não ganhei hehehehe :(

    Esse livro é independente da história de Divergente né? Irei conferir um dia!

    Um grande beijo Jennifer!
    Hugo,
    Raposa Cultural

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Hugo! A escrita da Veronica é maravilhosa e eu gostava muito da Série de livros Divergente, porém eu me decepcionei um pouco com Convergente. Eu também nunca ganhei nada pelo Skoob kkk. É sim, você pode ler Crave A Marca primeiro porque são histórias diferentes e vale muito a pena. Bjss!

      Excluir
  4. Fiquei super curiosa pra ler, adorei os detalhes como mapa e tal... Não curti Divergente, mas li nos outros comentários que nem lembra, né? Vou dar uma chance :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Simm, eu também gostei bastante desse livro por causa do mapa e dos detalhes nos costumes de cada planeta-nação que a autora criou. Pois é, não é nada parecido com a série Divergente, pode ler tranquilo kkk.Bjss!

      Excluir
  5. Oi,
    A história parece ser bem interessante e muita rica em detalhes. Deve ser bem emocionante.
    Adorei a resenha e obrigada pela dica
    beijos
    Daya

    ResponderExcluir
  6. Oi, Jennifer
    Gostei da sua resenha, pois tenho curiosidade em ler algo da autora. Não pretendo ler a série Divergente, mas quem sabe começar com esse. Fico feliz que tenha gostado. Livros jovens assim com esse enredo costumam me agradar.

    ResponderExcluir
  7. Menina do céu, esse livro está sendo tão bem falado por aí que eu acho que vou me render aos encantos da Veronica. E a edição está linda demais <3 Amei a história e sua resenha, amei demais!

    MEMÓRIAS DE UMA LEITORA

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem? AMO Verônica Roth por isso estou doids para ler o livro dela <3 Adorei a sua resenha e ela só me instigou mais ainda. Adorei!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oii Jennifer, tudo bem?? Adorei sua resenha! E que bom que gostou tanto da leitura! Eu li alguns comentários negativos sobre a obra. Eu amei a premissa de Crave a Marca e estou beeem curiosa com a leitura. Espero gostar também :D
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá!

    Distopia? Amo! Faz tempo que não leio uma, então sua resenha veio na hora certa! Já tinha visto a capa, mas não sabia da premissa, obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  11. Oiii!!!

    Eu não li esse livro ainda, mas confesso que não tenho tanta curiosidade pois não curto muito o gênero.
    Gostei da sua resenha e de conhecer um pouco mais do universo criado pela autora.
    A capa está linda!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  12. Ola Jenni lindona eu confesso que ficção não é um gênero que chame muito minha atenção, a escrita da autora me chamou atenção em Divergente, por se tratar de vários livros vou aguardar os demais serem lançados, sua resenha já me deixou bastante curiosa com os protagonistas. beijos

    Joyce
    Livros Encantos

    ResponderExcluir
  13. Hello, tudo bem?
    Já li outros livros da Veronica Roth, mas nao sou mto fã da sua escrita, mas ainda quero dar outra chance, ja que todo mundo ama.
    Crave a Marca me chamou a atenção pela sinopse e pela capa linda, vendo as suas impressoes, confesso que a vontade só aumentou.
    Vou so esperar baixar o preço pra poder comprar e ler, espero gostar tanto como vc.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  14. Apesar do livro estar ganhando ótimas críticas eu confesso que eu sou super traumatizada com a veronica desde o que ela fez com a trilogia divergente, não sei se quero ler novamente algo dela, realmente a escrita dela é ótima, mas acho que chega um ponto da história que ela se perde.

    ResponderExcluir
  15. Olá Jenifer,
    apesar de gostar dos filmes, nunca li a trilogia da Verônica, e mesmo achando a capa do Crave a Marca linda e sua resenha estar bem escrita, eu não me animei com o livro. Me pareceu confuso e não compreendi o ponto chave da história.

    Beijos,
    Anne
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
  16. Oie!
    Não conhecia esse livro, na verdade nem li a série Divergente. É que esse tipo de fantasia não é muito a minha praia. Eu até curto ver os filmes, mas ler nunca me animou.
    Agora, eu acho o maior barato quando a história e o livro trazem mapas, significados, nesse você comentou que ela explica como pronuncia os nomes, nossa, acho esse tipo de coisa sensacional! Eu sou fã de vampiros rsrs, então na Irmandade da Adaga Negra a gente tem esse tipo de coisa tb, em todo livro, no início, tem um glossário de termos e nomes próprios que você encontra na história. É muito legal pq vc se aprofunda ainda mais, né, na história. Adoro! :)

    ResponderExcluir
  17. Eu adoro a escrita da Veronica e acredito que assim como na série divergente, esse livro tem tudo para me agradar. Tenho lido críticas bastante positivas na blogosfera e a cada resenha fico ainda mais animada para fazer essa leitura. Parabéns pela resenha.

    Bjs, Glaucia.
    www.maisquelivros.com

    ResponderExcluir
  18. Olá!
    Eu conheço a escrita da autora apenas por Divergente, mas é uma escrita que adoro e muito gostosa de ser lida mesmo. Adorei a sua resenha e estou bem curiosa com essa obra, que parece ser ao mesmo tempo o mesmo estilo e diferente do que ela costuma escrever.
    Beijos.

    ResponderExcluir

Olá!
Seja bem vindo ao Coleções Literárias. Sinta-se a vontade para deixar seu comentário.
Siga o blog também, seremos imensamente gratos.
CONTATO: colecoesliterarias@gmail.com
Beijos

© Coleções Literárias ♥ - Todos os direitos reservados - 2016 ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo